31 outubro 2011

O 24° Salão de Arte de Pinheiros Convida

O Salão de Arte de Pinheiros este ano chega a sua 24° edição, consolida-se, evidencia a fibra dos organizadores e ainda  firma parceria com o SEBRAE visando incentivar e apoiar técnicamente os artistas plásticos profissionais expositores. 
No dia 1°, durante a cerimônia de abertura , o consultor do SEBRAE, Wlamir Bello ministrará a palestra Gestão da Arte, a seguir acontecerá um talk show com a participação do Presidente da Comissão Julgadora, o artista Eugênio Bassi, e de artistas convidados. A organização, recepção das obras e  cerimonial do Salão, como sempre, está sob a responsabilidade da competente e simpática Malú.
Após o encerramento da Exposição as atividades continuam com a  programação de palestras na sede da 
Associação Comercial de Pinheiros.

*Formação de Preço e Venda - 10 de Novembro

*Administração Básica de Marketing para Artistas - 17 de Novembro

*Gestão do Conhecimento p/ Tecnologia da Informação - 21 de Novembro

*Personalidade Jurídica da Empresa - 24 de Novembro
 
ACM: Rua Simão Álvares, 517Informações e inscrições pelo telefone 0800 570 0800

Participo do 24° Salão com uma pintura em óleo sobre tela, juntamente com alguns artistas que foram distinguidos com convites para  expor como Hors Concours.

Clique no título para a louvação de George Harrison


26 outubro 2011

Centro de Cultura Judaica - Liberdade de Expressão e Coerência

Durante o apagão motivado pela forte chuva que deixou a região sem eletricidade, Julia Bacha, a diretora e produtora do filme documentário Budrus, que trata de um episódio emblemático na longa luta por território entre judeus e palestinos, mostrando a  história de um povoado que se insurge com a passagem do muro israelense sobre suas terras e se destaca obtendo o direito de conservar suas árvores da vida, as oliveiras centenárias.
Budrus conserva o olival através de protestos pacíficos.
Julia discorreu sobre o processo de elaboração de sua obra na noite de 25 de outubro no Centro de Cultura Judaica, e não fosse o diesel dos geradores esgotar-se após a boa hora e meia de bom papo esclarecedor e motivador, haveria assunto para varar a noite em considerações. 
A diretora foi questionada, interpelada, elogiada, confrontada e por não - como declarou - ter caído de para-quedas na região onde a ação se desenvolveu, mas viver há oito anos entre palestinos e israelenses, soube iluminar e esclarecer toda dúvida, não restam dúvidas, Júlia quer a paz, a paz ativa, aquela cuja conquista depende do envolvimento das mulheres e das crianças, a não violência que leva à conquistas efetivas e duradouras, pois é vitória dos desarmados e de coração aberto.
A dinâmica e competente Yael Steiner esteve presente e reiterou o carácter democrático e a busca incansável pelas linhas de entendimento, divulgação e discussão de ideias, em que está empenhado o Centro de Cultura Judaica, que dirige. 
Nos três dias de programação do Cine-Cultura de Paz, fica mais evidente que nunca que o CCJ, além de democrático, prima  pelo bom acolhimento dos seres empenhados na busca pela evolução que leva à Paz.

Na foto, o pronunciamento de Yael, ao lado de Julia.
O vídeo com trecho do instigante depoimento de Julia que filmei e escolhi para compartilhar não está compatível com o peso aceito, assim que tenha resolvido, volto a publicar. 
Clique no título para chegar ao pronunciamento de Julia Bascha no TED, 
quando o link abre podes selecionar o idioma na barra do vídeo.

25 outubro 2011

Filmes e Diálogos pela Paz

Clique no título da publicação e viaje até o blog Giane Cor de Rosa 
 faça uma visita e
veja o que o título declara.

Edelweiss - por Silvana Duboc

Edelweiss é o nome de uma flor encontrada no alto das montanhas e alpes da Suíça, da França, da Alemanha, da Áustria, da Iugoslávia e da Itália. Ela se desenvolve nas alturas dessas montanhas. Edelweiss significa "branco precioso" e tem o formato de uma estrela de seis pontas. Dizem que quando você quer presentear alguém que signifique um amor eterno ou uma amizade eterna, dá-se uma flor de Edelweiss a essa pessoa, a flor eterna. Dizem, também, que sua duração depois de desidratada, é de mais de 100 anos. Essa mesma flor hoje é Patrimônio da Humanidade nos países onde ela é encontrada.

Flor de Edelweiss
Nada melhor que a própria música para servir de fundo musical nesta mensagem. É interpretada por Christopher Plummer e Julie Andrews, foi tema do filme em alemão  "The Sound of Music" que em 1965, no lançamento do musical no Brasil, chegou com o nome de "A Noviça Rebelde".
A música Edelweiss é de autoria de dois famosos músicos americanos: Richard Charles Rodgers, compôs a melodia e Oscar Hammerstein II é o autor da letra. Ela foi composta em 1959 para o musical "THE SOUND OF MUSIC", que conta a história verdadeira da família von Trapp oriunda de Salzburg na Áustria. Em setembro de 1938, para fugir do nazismo, ela migrou para os Estados Unidos.
Recebi o texto acima comentando um belo e emocinante  PPS, que não é possível publicar aqui.  Com a história da nossa florzinha, que pinta no blog pela segunda (não última) vez, ouça a música, clicando no título.


Comentário:  
Berenice por  blogger.bounces.google.com
 18:32 

"O nome da minha mãe é EDEL por causa desta flor, que minha bisa gostava, e ela era da Suíça."

16 outubro 2011

Exposição Sustentabilidade - Scotch / MuBE

Protótipo para o concurso de esculturas em fita adesiva Scotch. 

O pessoal da Metropolitan em meu atelier embalando a escultura para levar para exposição
Inauguração da exposição, com os outros artistas participantes recebendo o certificado
Eolus, movendo a Terra utilizando a energia do vento, detalhes.


Antes da cerimônia de abertura, com querido e 
competente Jorge Landmann, Presidente do MuBE
Abertura da exposição com os filhos, Marcelo e Maicon. Ao fundo Eolus no MuBE.
Grande noite, carinho da família; a nora Marina e sua mãe, Regina Takejame.



Clique no título da publicação para chegar a uma solução 
que não prejudica fauna nem flora.

14 outubro 2011

Propagação de Vitalidade nas Bibliotecas Públicas de São Paulo

Começa neste sábado a sétima edição do Festival “A Arte de Contar Histórias”. O evento será entre os dias 15 e 23 de outubro. O objetivo é promover a tradição oral, a leitura e também a possibilidade dos participantes conhecerem várias formas de narrar histórias com repertório diversificado.
Além da narração de histórias, acontecerão as seguintes atividades:
Abertura do festival com Show líteromusical: Colagem de histórias e cantigas
15 de outubro (sáb) – 10h – BP Hans Christian Andersen
Oficina: Narração de História – o caminho da escuta - Coord. Simone Grande - Vagas limitadas. Público adulto.
15 de outubro (sáb) – das 10h às 16h – BP Narbal Fontes
19 de outubro (qua) – das 14h às 18h – BP Hans Christian Andersen
22 de outubro (sáb) – das 10h às 16h – BP Raimundo de Menezes
Oficina de ilustração com panos, retalhos, costura, cola e outras técnicas - Com Ana Guima

20 vagas. Público adulto.
15 de outubro (sáb) – 11h30 – BP Hans Christian Andersen
 ÓPERA FANTÁSTICA: O elixir do amor
Ópera misturada com contação de histórias encanta o público de todas as idades. A história escolhida para esta apresentação foi “O elixir do amor”, de Gaetano Donizetti. Livre.
15 de outubro (sáb) – 16h – BP Hans Christian Andersen
Oficina: Os recursos da voz no contar histórias - Com a fonoaudióloga Viviane Barrichelo

20 vagas. Público adulto.
Dias 19 e 21 de outubro (qua e sex) – das 13 às 17h – BP Hans Christian Andersen.
 Acampadentro na Hans
Os visitantes passarão uma noite muito agradável dentro da Biblioteca.
21 de outubro (sex) – 20h – BP Hans Christian Andersen
Encantos do conto - Com Giba Pedroza, Ricardo Würker e Zana de Oliveira.

Música e contação de histórias integradas em um show envolvente.
22 de outubro (sáb) – 14h – BP Hans Christian Andersen
Contar histórias: arte de quem? - Mesa de discussão com Luiz Valcazaras, Alberto Ikeda e Giuliano Tierno, com mediação de Giba Pedroza.

22 de outubro (sáb) – 15h – BP Hans Christian Andersen
 Roda de Histórias 

22 de outubro (sáb) – 16h – BP Hans Christian Andersen
As narrações de histórias acontecerão de 15 a 23 de outubro com diferentes contadores em diversas unidades da Rede Municipal de Biblioteca.
Confira a programação completa no site:
Haverá Intérpretes de Libras nas Bibliotecas:
BP Hans Christian Andersen – dias 17, 18 e 22 
BP Álvares de Azevedo – dias 16 e 20 
BP Brito Broca – dia 19 
BP Raul Bopp – dias 19 e 23 
BP Padre José de Anchieta – dias 16 e 20
:
 
Clique no título para chegar ao Mundo Ideal.

13 outubro 2011

Seminário sobre o I° Plano Nacional de Cultura

A Presidente do Conselho Brasileiro de Entidades Culturais - CBEC, Eneida Soller manifesta preocupação quanto a representatividade na escolha das metas que  integrarão o I° Plano  Nacional de Cultura. Ao fundo, Aide do Amaral, da Comunicação da Representação Cultural de São Paulo.

O bailarino e produtor Sandro Borelli, representando a Cooperativa de Dança, leva os questionamentos de sua categoria ao Secretário Sergio Mamberti.

Representando os pontões de cultura: Angústia e dúvidas quanto ao futuro destes núcleos que se formaram com o apoio financeiro do governo nas gestões anteriores. E sobre a cultura para infância, existe um planejamento, como fica a juventude no plano da Secretária? Valério Benfica, Chefe da Representação Cultural de São Paulo responde que não está especificado, que é uma meta para a próxima Conferência, mas que existem ações se desenvolvendo, assim como a música ainda não entra na grade curricular das escolas, mas que a vivência e a difusão acontece em movimentos como Ação Griô, e, atualmente 40 pólos orquestrais estão em atividade. Quanto aos pontões, que surgiram sem planejamento, como movimento popular mesmo, agora estão sendo revistos, nem mesmo está bem muito definido o que é um Pontão Cultural, ou um Nó de Rede. Qual o papel dos Pontões, como está sendo articulada a institucionalização, quais as linhas de trabalho? A Cultura Viva só funciona por ter encontrado estas determinações.
O Secretário Mamberti lembra que hoje existem 500 PEC (Praças de Esporte e Cultura) em atividade com esportes e saúde, mas a cultura não está se apropriando destes espaços: 

"É preciso que os diferentes nichos dialoguem, uma vez que as disputas se estabelecem em função de privilégios do passado." 
O Seminário relativo a divulgação das Metas do I° Plano Nacional de Cultura, aconteceu no dia 27 de setembro na FUNARTE em São Paulo, contou com a presença do Secretário de Cultura, Sergio Mamberti, Américo Córdula - Diretor de Estudos e Monitoramento de Políticas Culturais do MinC,  e o Chefe da Representação Cultural do MinC em São Paulo, Valério da Costa Bemfica, que discorreram sobre as actuais políticas culturais do Governo, sobre a necessidade de reformulação das leis de incentivo a cultura, como a da renúncia fiscal, que apresenta problemas na distribuição dos recursos. O microfone foi aberto aos presentes que manifestaram suas dúvidas e fizeram sugestões, entre eles, o sr. Damásio, representando o deputado Vicentinho, o representante da deputada Telma, Wladimir representando artistas circenses, a sra. Antonieta, representando a Secr. Cultura de São Paulo, Leonardo, representando IPHAN, O chefe anterior da Representação Cultural de São Paulo, Tadeu Di Pietro, José Carlos Duran, Eleiuson - Cult. Periferia, entre tantos. A salientar a presença no discurso determinado dos representantes da Associação das Escolas de Samba.
As metas do Plano a ser aprovado pela Presidente da República em dezembro, podem ser vistas e comentadas através do portal:www.cultura.gov.br até o próximo dia 20 de outubro.

 
Para Impossible Dream, clique no título.

11 outubro 2011

Jundiaí - Medalha Petronilha para Dr. Faustino Vicente

Na língua Tupi, Jundiaí quer dizer "rio do bagre". 
Os índios, primeiros habitantes da região eram exímios caçadores, pescadores e plantavam milho e  mandioca.
Quando o casal Rafael de Oliveira e Petronilha Rodrigues Antunes, fugindo de uma contenda política na capital de São Paulo, chegou a região, em 1615, denominaram o lugar de Freguesia de Nossa Senhora do Desterro e ali instalaram uma pousada, uma paragem para os bandeirantes durante as incursões pelo sertão.
A área, em determinada época chegou a ser chamada de Mato Grosso de Jundiaí.
Com a inauguração da capela em 1651, a paragem obteve o reconhecimento como vila, a próxima elevação viria através de lei Provincial de 1861, quando foi elevada a categoria de cidade. 
Os próximos marcos determinantes para a consolidação da região como pólo viriam em 1865, com a chegada dos imigrantes italianos, o boom da produção cafeeira e a inauguração da ferrovia Jundiaí/Santos. 
Logo a seguir, em 1872, aconteceu a instalação da Cia Paulista de Estradas de Ferro, que veio a consagrar a cidade como entroncamento dos mais importantes do estado.
Jundiaí, a Terra da Uva, está situada 760m acima do nível do mar, e é margeada pelo Parque Ambiental Serra do Japi, uma zona protegida e totalmente preservada.
Na origem, Jundiaí era irrigada por riachos e nascentes, mas com o crescimento da população, alguns arroios foram soterrados. O rio Jundiaí, atravessa a cidade entre o centro comercial antigo e os bairros. 
Desde 1983, a municipalidade em conjunto com a iniciativa privada vem investindo na despoluição do rio e na retirada do entulho e afundamento do seu leito, também através de placas de contenção nas margens mais baixas e assoreadas, visando evitar alagamentos das zonas ribeirinhas.
A pujante Jundiaí torna a região onde está situada, numa das mais prósperas do país. Seu parque industrial abriga mais ou menos quinhentas empresas, entre elas as gigantes Coca-Cola, Kraft Foods, Akzo Nobel, Sadia, Ambev, Siemens, Bollhoff, Frigor Hans, Parmalat, Itautec, Foxxcom, centros de logísticos de grandes marcas, como Casas Bahia, Renault/Nissan, Magazine Luiza, Deca, GT Usinagem e Revestimento entre tantas.
O município é competente produtor nos setores de alimentos e bebidas, cerâmica, auto-peças, metal-mecânica, borracha, plásticos, embalagens e bens duráveis, e conta com 27 mil hectares de área cultivada. 
A cidade promove três grandes tradicionais festas anuais para celebrar a colheita da uva (maior destaque para o cultivo da Niágara Rosada) e do morango. 
Durante o mês de setembro, a paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus celebra, sempre com grande sucesso, promovendo a Festa Francesa.

A Câmara Municipal de Jundiaí, através da Resolução n.º 269, de 19/11/1980, Resolução n.º 379, de 13 de novembro de 1990, criou e instituiu a medalha Petronilha Antunes, que destina-se a homenagear pessoas e instituições que tenham prestado relevantes serviços cívicos, culturais, artísticos, científicos, literários, econômicos ou desportivos para o Município.
Na Sessão Solene do próximo dia 10 de novembro, que acontecerá no Theatro Polytheama, a entrega deste título honorífico, que por indicação do vereador Leandro Palmarini, distinguirá o estimado Dr. Faustino Vicente, pela competência e amorosidade com que tem dedicado sua vida ao trabalho pelo crescimento e divulgação da sua amada Terra da Uva, através de artigos, em vias nacionais e internacionais.
Parabéns e congratulações ao Dr. Faustino, família e amigos.
Curiosidade: O primeiro título honorífico registrado concedido, foi através da Lei n.º 583, de 05/07/1957, que outorgou o título de Cidadão Honorário de Jundiaí ao Comendador Antonino Messina.

Fotos: 1-Brasão de Jundiaí 
2 -Detalhe do cartaz alusivo à Festa Francesa da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus
Para um violino, clique no título, é Tchaikovsky.

10 outubro 2011

Programe-se! Circule, Afine-se, Enobreça.

circular engrenando
ventorostando
rodar
engrenar
corda cordoeira
dentada roseta
vento e cabelo
roçando o rosto
a barlavento
bicicletando oroboro
simbiótico
pedalar eolismos 
transito grata
engrenagem
biciclar
fazendo bem.

Clique no título e veja ondular circular, difundir.
É preciso conscientizar.

09 outubro 2011

Propagação MuBE

Devido ao grande sucesso, dia 12 também haverá Botão Mágico!


Cursos:
Informações: Eneida Fausto cursos@mube.art.br 2594.2601 r.21, 14h às 19h
Inscrições somente pelo site: http://www.mube.art.br   >
Cursos>Cadastro

Blog: http://arteparavoce.blogspot.com
Cerâmica – Silvia de Bock  4ª feira 9h30 às 12h30
Criatividade Digital – Ude Fairbanks - 6ª feira 14h às 16h30h
Desenho Iniciante – Cirton Genaro - 4ª feira 19h às 22h
Escultura Iniciante e orientação avançada – Luis Bayon - 2ª feira 14h às 17h e das 17h às 20h
Escultura – Angela Bassan - 5ª feira 9h30 às 12h30 e das 14h às 17h
Escultura Pedra Sabão – Modelagem Corpo Humano – Denise Barros - 3ª feira das 19h às 21h30
Oficina de Técnicas de Pintura - Rô Gonçalves - 3ª feira 14h às 17h e das 19h às 22h
Pintura em Baixo Esmalte – Cerâmica – Eliana Hamaoka - 4ª-feira 14h às 17h
Pintura – Orientação Contemporânea – Bia Black – 5ª feira 14h às 17h
Pintura e Orientação de Projetos – Eurico Lopes - 4ª feira 14h às17h
Projetos Especiais: Arte & Inclusão para Portadores de Necessidades Especias (todas as idades) – Juliana Naso, Cristiane Pomeranz  e  Ana Alice Francisquetti - 6ª feira 10h às 12h
Faça Memória – (Terceira Idade) -  Juliana Naso, Cristiane Pomeranz e  Ana Alice Francisquetti- 6ª feira 10h às 12h e das 14h às 16h
Cursos Extras:
História da Arte Universal – Completa – (Inscrições abertas por módulos) -  Rô Gonçalves
- 08 de agosto a 28 de novembro 2011 - 20h15 às 22h15.
O Mundo das Formas Vibratórias - Marcelo S. Petraglia
- 18 de outubro – 3ª feira das 19h às 22h
Curso Basico de Fotografia - Prof. Sandra Neaime
- 03,10,17 e 24 de novembro
Saída: dia 27 de novembro das 9h30  às 12h30 no Mercado Municipal.


E no título da postagem, uma música cuja letra e composição são de Thibaut, Rei de Navarra e Conde Champagne(1201-1253). 
Foi poeta, trovador e cantor, admirado pela sua arte e vida.

05 outubro 2011

URGENTE - PLAQUETAS - RIO DE JANEIRO


A amiga Damáris conta que a família de sua amiga, Joana Bacim, está a pedir socorro. Ela passou pelo transplante de medula no final de Setembro último, mas ainda precisa - e muito - de transfusão, plaquetas. A situação é desesperadora, pois o estoque do INCA não consegue suprir a necessidade de reposição. Meio caminho já foi percorrido, vamos ajudá-la a cumprir mais esta etapa para ficar totalmente curada. Se puderes doar, por favor, mencione o nome completo dela: 
 JOANA ANGÉLICA MINELLI BACIM. 


Por que doar plaquetas?
As plaquetas são elementos do sangue que atuam na coagulação. Elas são fundamentais para o tratamento dos pacientes. Há pacientes que apresentam deficiência de plaquetas, causada por transplante de medula, pela ação da quimioterapia ou por terem sofrido alguma intervenção cirúrgica.


Vânia De Mello deixou um novo comentário sobre a sua postagem "URGENTE - PLAQUETAS - RIO DE JANEIRO":
Oi Giane!!! Muito obrigada por divulgar a importância da doação de plaquetas para Joana, nossa tão amada Joana. Ela completou 28 anos em junho, louca de amor pela linda e doce filha Gabriela, com 7 anos de pura alegria, e também por sua vida e para a família, amigos antigos, e novos, muitos, muitos mesmo, que nem a conhecem como você e demonstram, doam o tempo por solidariedade que é o que um amigo demonstra e faz. 

Vamos continuar divulgando ajudando a Joana e com isso ajudaremos outros tantos pacientes que precisam de sangue, mas antes, de muito amor, carinho, presença, fé, força e luz. 
Os anjos ouviram, e você!! E também nossos pedidos de cura para Joana e os outros que nem conhecemos possam ser abençoados. 
Que assim seja .
Amém! 
Postado por Vânia De Mello no blog Flor Amarela em 7 de outubro de 2011 10:23


Como é feita a doação?
O sangue é retirado da veia de um dos braços, como na doação convencional. A diferença é que o sangue passa por um equipamento que retém parte das plaquetas. Depois disso, o sangue retorna para o doador, com todos os outros elementos. Tudo isso de forma segura e livre de contaminações. Esta doação, que deve ser marcada com antecedência, dura cerca de uma hora e meia


Quem pode doar?
Para doar é necessário:
- ter entre 18 e 65 anos de idade;
- pesar mais que 50 quilos;
- trazer a Carteira de Identidade original, com foto;
- alimentar-se antes da doação, evitando apenas alimentos gordurosos
- estar em boas condições de saúde;
- ter realizado pelo menos uma doação de sangue recente no INCA;
- ter disponibilidade de, pelo menos, uma hora e meia para a doação;
- não estar fazendo uso de ácido acetil salicílico (AAS).


Não podem doar
- Doadores que estiverem gripados ou com febre;
- Mulheres grávidas ou até três meses após o parto;
- Doadores que ingeriram bebida alcoólicas no dia da doação.
Estão impedidos de doar
- Pessoas que tiveram hepatite após 10 anos de idade, doença de chagas e malária;
- Pessoas que adotaram comportamento de risco para doenças sexualmente transmissíveis e usuários de drogas.


Onde doar:
Hospital do Câncer I
Praça Cruz Vermelha, 23 / 2° andar - Centro - Rio de Janeiro
A doação pode ser feita de segunda a segunda, de 8h às 17h30 (nos domingos e feriados o primeiro horário é às 9h30), sendo apenas necessário agendar pelo telefone:(21) 3207-1064
Centro - 20230-130 - Rio de Janeiro - RJ - Tel. (21) 3207-1000
Informações gerenciadas pelas divisões de Comunicação Social e Tecnologia da Informação.
E clicando no título da postagem, sabedoria e anjos que lembram!

Aúthos Pagano -Trabalho Sério e Carinhoso

E para uma entrevista com o super criador Sil Van Der Woerd, 
clique no título da postagem

04 outubro 2011

Liberdade, Igualdade, União e Fraternidade

     Os Reis de Portugal e Espanha não se entendem, nunca se chega a conclusão sobre os limites da Colônia de Sacramento. Napoleão obriga a Espanha a declarar guerra a Portugal, e para os Capitães do Rio Grande do Sul a situação fica impossível de administrar. 
     Tomando a iniciativa, se apossam dos territórios da Missões Jesuíticas. Vem o General Lavalleja, em 1825, e invade a Província Cisplatina, anexando-a a Argentina. Em 1828, Frutuoso Rivera a toma e a denomina República Oriental do Uruguay. 
     No Rio Grande do Sul, nas estâncias de charqueadas grassava o desespero. Os rebanhos estavam esgotados durante os puxa-e-frouxas e não havia nenhuma indicação de que o Império viesse a indenizar os estancieiros, que afinal mantinham as tropas e ainda eram taxados em altos impostos na exportação do gado vivo, no peso do charque, erva mate, gordura e sebo. 
     O efeito dominó vogava solto; a taxa da importação do sal, essencial para a produção, aumentou. Os liberais brasileiros influenciaram o comércio a comprar charque cisplatino, já que o RS usava trabalho escravo, e o charque estrangeiro custava mais barato. Nessa época a população do Rio Grande do Sul era de aproximadamente quatrocentos mil viventes, entre brancos, índios e negros. O estado  era composto por 14 cidades, e apesar das recentes guerras mantinha-se trabalhando para se reerguer economicamente. 
     O presidente da província era nomeado pelo Império, e não fazia mais do que meter os pés pelas mãos, aumentando as dificuldades. Assim, coloque-se uma pitada de rixa ferrenha entre o Marechal do Exército Imperial, Sebastião Barreto Pinto, e o Coronel da Guarda Nacional, Bento Gonçalves, e a válvula da caldeira está prestes a explodir. Acrescente os ideais de Liberdade, Igualdade, União e Fraternidade, aguerridamente difundidos pela igreja católica e as sociedades secretas, e o sonho republicano se instala na província, que avidamente agarra-se às idéias do cientista intelectual, o Conde Tito Lívio Zambecari nas letras, e o Coronel Bento Gonçalves, como senhor da guerra.
     Lutariam para concretizar a filosofia dos Carbonários, que recentemente  haviam sido excomungados pela Igreja e condenados à morte pelos seus governos na Europa.
     Iniciava-se a Revolução Farroupilha, que aniquilaria milhares de vidas durante os dez anos que durou.



     Em 1839, os irmãos  Felipe, Johannes Valentin e Pedro Wagner, se embrenharam nas matas da região onde mais tarde se formaria o município de Taquara, no RS. Escapavam dos soldados farroupilhas. Se estabeleceram na localidade de Rio da Ilha. 
     Os rapazes eram filhos de Philipp Anton Wagner e Katharina Holzenthal, tiveram seis irmãos, mas na viagem de vinda da Alemanha para o Brasil morreram os três menores. 
     Chegaram a São Leopoldo no dia 27 de fevereiro de 1827, e iniciaram sua vida no Brasil, cultivando a terra e criando gado. Sua propriedade ficava em Lomba Grande, nos arredores de São Leopoldo.
     Em 1835, iniciada a Revolução Farroupilha, os imigrantes alemães ficaram sob fogo cruzado; fidelidade ao Império, ou independência com os farrapos. A maior parte dos colonos manteve-se fiel ao Império, o que angariou a antipatia e hostilidade dos revolucionários: "Em um dia frio e sinistro de 1839, já no quarto ano da Guerra dos Farrapos, um dos regimentos de Bento Gonçalves acampou na Estância Miranda. Todas as casas e galpões foram ocupados pelos soldados, a esta altura, maltrapilhos revolucionários. O gado foi sacrificado e charqueado, tudo era confiscado pelas tropas: roupas, agasalhos e comida."
A Estância Miranda foi ocupada pelo regimento comandado pelo Capitão Soares. Os irmãos Wagner foram arregimentados. Felipe estava com 26 anos, Johannes Valentin estava com 23 anos, e Pedro, 19 anos. No dia em que o Capitão Soares deu ordem de levantar o acampamento, uma arma que o pai dos rapazes trouxera da Alemanha, apareceu ostensivamente, foi imediatamente confiscada e o portador degolado sumariamente. Durante o tumulto que se seguiu, os irmãos fugiram e esconderam-se nas redondezas em companhia dos amigos da família Wilk e do Negro Onofre. Para vingar a morte de Philipp, tocaiaram o regimento do Capitão Soares, que ao apontar na curva de uma estrada foi recebido por uma saraivada de balas. Na emboscada alguns revolucionários foram feridos e um cabo de guerra foi morto. Desse momento em diante os irmãos foram perseguidos como criminosos de guerra.
     Depois de seguir a margem do Rio do Sinos por semanas, chegaram em Rio da Ilha. O professor Benno Wagner, autor de "Volta às Raízes", escrito com a colaboração dos relatos dedo seu tio-avô Antônio, declara:"Quando eles começaram a vida nos matos de Rio da Ilha, faltava tudo, tudo mesmo. Fugidos da estância Miranda, estavam em constante ameaça pelos  soldados do Capitão Soares. O bisavô Felipe e seus irmãos iam o mínimo possível para São Leopoldo, apenas para comprar as coisas mais necessárias, no máximo uma vez por ano.
     Durante as cheias do Rio dos Sinos, juntavam as toras de madeira que haviam armazenado durante o ano e levavam até São Leopoldo para vender, amarravam em balsas e navegavam rio abaixo. Assim adquiriam ferramentas, munição e sal.
     Em 1846, começaram a chegar as primeiras levas de colonos, que foram se agrupando em volta das casas dos Wagner, expulsando os índios cada vez mais para a densa floresta..."
     Em 1865, com o início da Guerra do Paraguai, os três irmãos se alistaram ao exército brasileiro. Felipe Wagner estava então com 53 anos, serviu como canhoneiro e fazia parte da artilharia  do décimo Primeiro de Caçadores do Segundo Corpo do Exército, comandado pelo Visconde de Porto Alegre. 

     Durante os enfrentamentos com as tropas de Solano Lopes, Pedro acabou ferido e morto. A casa que Felipe construiu quando voltou da guerra existe até hoje.

     Quando a Revolução Farroupilha (República Juliana), foi derrotada pelas forças do governo central do Brasil, Horácio Pereira Soares acompanhou a retirada de Laguna liderada por Canabarro e Garibaldi. Esta retirada ocorreu em fins de 1839 e aconteceu por terra, pelo interior de Santa Catarina. 
     Passaram por Passo Fundo, então um vilarejo, desceram a Serra das Antas, e foram rumo a República Oriental do Uruguay onde Garibaldi se engajou em outra revolução. Horácio ficou no Rio Grande do Sul, aonde veio a se casar com Maria José dos Santos. Os relatos dão conta que Horácio era um homem grande, muito peludo e forte, capaz de nadar carregando outra pessoa nas costas. 
     Ele e Maria José tiveram doze filhos naturais e mais doze filhos adotivos. 
     Horácio, apesar de retirante de Laguna, não era necessariamente de lá, já que as tropas de Canabarro e de Garibaldi foram do Rio Grande do Sul para Santa Catarina. É provável que tenha nascido em Livramento, onde veio mais tarde a sentar chão. 
     Seu registro não foi encontrado no Bispado de Tubarão/SC, nem no Bispado de Bagé/RS, e tampouco no de Taquarembó/ROU(República Oriental Del Uruguay).


Fotos: 
1 -paisagem da web 
2-Soldados brasileiros na Guerra do Paraguay 
3-Retrato do Visconde Porto Alegre, óleo sobre tela que pintei em 1997, sendo inaugurado por seus descendentes Flávia Silveira Martins e primo, no 27 GAC de Ijuí/RS.
Dados extraídos do Jornal Velho Novo Mundo, gentilmente fornecido pela Irmã Sibylla, administradora da escola Santa Terezinha de Taquara/RS, e complementos da Web.


Clique no título para chegar à Sinfonia Platina de Marcus Viana

02 outubro 2011

O Martírio dos Mestres

 Enquanto vários educadores bahá’ís são julgados no Irã, dois laureados com o Prêmio Nobel criticam severamente o governo iraniano, comparando suas ações à “Idade das Trevas na Europa”, ou à “Inquisição Espanhola”. As observações de Desmond Tutu, Arcebispo Anglicano Emérito da Cidade do Cabo (África do Sul), e de José Ramos-Horta, presidente do Timor Leste, aparecem numa carta aberta à comunidade acadêmica publicada hoje no “Huffington Post”, sob o título ‘A guerra do Irã contra o conhecimento’. Na carta, os dois pedem ao governo iraniano para libertar incondicionalmente e suspender as acusações contra os sete bahá’ís que estão sendo julgados no Irã devido às suas atividades educacionais.
      “O progresso da humanidade nos últimos séculos foi alimentado, mais do que qualquer outro fator, pelo crescente acesso à informação, pelo rápido intercâmbio de ideias e, na maior parte do mundo, pela educação universal”, escrevem eles.
     “Portanto, é particularmente chocante que, em pleno século vinte e um, déspotas e ditadores empenhem-se em subjugar suas próprias populações por meio da negativa de acesso à educação ou à informação ao seu povo. Essa estratégia não é apenas fútil no longo prazo, mas também os faz parecerem temerosos da própria época em que vivem, assombrados pelos novos pensadores em seu meio.”
      “Talvez, o mais evidente exemplo desse temor hoje seja a negativa de acesso à educação superior aos membros da Fé Bahá’í no Irã – uma religião pacífica que não possui agenda política, e que reconhece a unidade das religiões”
, diz a carta.

Julgamentos
A publicação da carta aberta coincidiu com o recebimento de informações de que tiveram início os julgamentos dos sete educadores bahá’ís no Irã. Eles foram detidos por causa de uma iniciativa informal da comunidade conhecida como Instituto Bahá’í de Ensino Superior (BIHE), que deu aos professores bahá’ís – impedidos pelo governo iraniano de exercerem suas profissões – a oportunidade de ensinar aos membros jovens da comunidade que são impedidos de frequentar a universidade. “As pessoas presas não são líderes políticos nem religiosos”, observam o arcebispo Tutu e o presidente Ramos-Horta em sua carta. “Atuavam como palestrantes em assuntos que incluíam contabilidade e odontologia, e hoje enfrentam a perspectiva de décadas de prisão. O crime de que são acusados: oferecer educação à juventude bahá’í.”
A Comunidade Internacional Bahá’í recebeu informações de que seis dessas sete pessoas – que foram detidas após ataques em maio último a cerca de 39 casas de bahá’ís ligados ao BIHE – estão agora sendo julgadas em duplas.O próprio advogado que estava preparando a defesa deles está agora na prisão; soube-se que dois dos prisioneiros tiveram audiências na corte no domingo (25); dois compareceram na segunda-feira e outros dois na terça. O sétimo indivíduo aparentemente foi julgado na semana passada”, informou Iradj Eghrari, representante da Comunidade Bahá’í do Brasil.
“Tudo indica que não podemos esperar um julgamento honesto”, acrescentou ele. Iradj expressou a gratidão dos bahá'ís brasileiros e da Comunidade Internacional Bahá’í ao arcebispo Tutu e ao presidente Ramos-Horta.
“Somos muito gratos a eles – bem como a todos os governos, organizações e pessoas de boa vontade em todo o mundo, cujos esforços transmitiram às autoridades iranianas uma mensagem clara de que suas ações estão sendo cuidadosamente observadas e condenadas”, disse ele.


Expulsos devido às suas crenças
A carta aberta enfatiza também a condição de outros jovens iranianos que foram expulsos de universidades “devido às suas crenças ou por defenderem pontos de vista contrários ao partido no poder, incluindo visões a favor de reformas no país”.
“Acreditamos que é importante reconhecer que estas ações não são resultado nem têm origem na fé islâmica. Um breve olhar sobre a Idade das Trevas da Europa ou sobre a Inquisição Espanhola bastam para demonstrar que os Aiatolás do Irã certamente não são os primeiros a usar a religião como pretexto para tentar, à força, suprimir ideias e conhecimentos que temem ameaçar seu poder. As ricas tradições filosóficas e artísticas do Irã, as contribuições dos eruditos iranianos no mundo todo e as ações dos membros da comunidade islâmica que ajudaram a apoiar o BIHE dão testemunho de que as ações de seus líderes não refletem a fé islâmica ou o pensamento dos inúmeros muçulmanos de boa vontade existentes na comunidades iranianas”, diz a carta. “E embora acreditemos que tanto historicamente como no mundo ‘conectado’ de hoje é inútil suprimir a busca do conhecimento, há muitos no Irã cujas vidas estão sendo ameaçadas ou prejudicadas por esta tentativa.

“Eles precisam do nosso apoio.”
Entre outras demandas, Desmond Tutu e José Ramos-Horta conclamam a comunidade acadêmica a registrar, junto a seus contrapartes iranianos, sua discordância e desaprovação em relação a qualquer política que impeça o acesso à educação superior com base na religião ou posição política dos indivíduos.

Condenação mundial
O protesto internacional diante da perseguição aos educadores bahá’ís no Irã abarcou o mundo nos últimos quatro meses, desde Austrália até a Zâmbia.
O teólogo e filósofo brasileiro Leonardo Boff tem levantado o assunto em suas postagens no Twitter. Na mais recente, que data de 26 de setembro, ele diz: "Há 300 mil bahá'ís no Irã, religião das mais ecumênicas. No Irã são perseguidos, presos, impedidos de ir às universidades por não serem muçulmanos." Em uma outra publicação na mesma data, complementa: "No Brasil, há cerca de 120 mil bahá'ís. Participam da cultura e no diálogo inter-religioso. Precisamos mostrar solidariedade a eles e aos do Irã".
Em 5 de setembro, a Baronesa Catherine Ashton – Alta Representante da União Europeia para Assuntos Internacionais – expressou sua “séria preocupação” sobre o ataque ao BIHE.
Três dias antes, o Ministro de Relações Exteriores do CanadáJohn Baird, disse que as detenções de colaboradores do BIHE “baseiam-se em acusações infundadas de conspiração contra a segurança nacional. O Instituto provê valiosos serviços educacionais para a comunidade bahá’í, que é impedida do acesso à educação superior no Irã.”
No dia 4 de abril, o deputado federal Luiz Couto, ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, expressou no Plenário da Câmara dos Deputados do Brasil sua preocupação e indignação diante do caso no dia 4 de abril. “O Congresso Nacional, a sociedade brasileira e os demais países precisam demonstrar seu apoio à comunidade bahá'í”, reforçou ele.
Os sete educadores bahá’ís em julgamento são: Vahid Mahmoudi e Kamran Mortezaieque, segundo informações, foram julgados no domingo; Mahmoud Badavam e Nooshin Khadem, cujo julgamento estava marcado para segunda-feira; e Ramin Zibaie e Riaz Sobhani, que estavam na lista de audiências de terça-feira. Há informações de que Farhad Sedghi teria sido julgado no dia 20 de setembro.(com informações do Bahá'í World News Service) 

Secretaria Nacional de Ações com a Sociedade e o Governo - http://sasg.bahai.org.br/
Comunidade Bahá'í do Brasil - http://www.bahai.org.br/, via Édison Pereira de Almeida, 
Embaixador da Paz - Cercle Universelle de la Paix, Paris - França.
Luana Reis - Assessora de Comunicação 
Tel.: +55 (61) 3255 2209 / 9977 1117. 

Fax: +55 (61) 3364 3470

"A palavra Bahá'í pode ser usada para referir a Fé Bahá'í ou os seguidores desta religião. Esta palavra deriva do termo árabe "Bahá" (بهاء) que significa glória ou esplendor. Os ensinamentos Bahá'ís atribuem grande importância ao conceito de unidade das religiões. A história religiosa da humanidade é vista como um processo de desenvolvimento gradual, em que surgem diversos Mensageiros Divinos com ensinamentos adequados às necessidades de cada momento e à maturidade de cada povo. Esses mensageiros incluem Krishna, Abraão, Buda, Jesus, Maomé e, mais recentemente, O Báb e Bahá'u'lláh. Segundo os ensinamentos Bahá'ís, a humanidade encontra-se num processo de evolução colectiva a caminho de uma civilização mundial, e as suas necessidade atuais centram-se, essencialmente, no estabelecimento gradual da paz, justiça e unidade a uma escala global. A Fé Bahá'í é uma religião monoteísta fundada por Bahá'u'lláh na Pérsia do século XIX que enfatiza a unidade espiritual da humanidade. Trata-se de uma religião independente que possui as suas próprias leis, escrituras sagradas, administração e calendário. Mas não possui dogmas, clero, nem sacerdócio. Estima-se que existam cinco a seis milhões de Bahá'ís espalhados por mais de 200 países e territórios."  Definição da Wikipédia.

Clique no título da postagem para ver o discurso do Líder Supremo da República Islâmica, o aiatolá Ali Khamenei, neste sábado em Teerã

01 outubro 2011

Salve a Primavera!

O príncipe de Wu anunciou que iria invadir Chu e ameaçou matar quem fosse contra seu plano.
Uma tarde, andando por uma estrada, viu Wang Zhenmao contar uma história. Nessa história, havia uma cigarra numa árvore bebendo o orvalho da manhã, sem perceber que atrás dela um louva-deus aproximava-se para agarrá-la. O louva-deus, pronto para pegar a cigarra, ignorava que atrás dele acabava de pousar um pardal, querendo levá-lo de almoço para seus filhotes. O pardal alongando o pescoço e abrindo o bico, não sabia que mais embaixo um menino mirava sua cabeça com um estilingue, a fim de matá-lo.
O príncipe de Wu pensou durante algum tempo e decidiu suspender o ataque programado contra Chu.
                                         Liu Xiang-50 Fábulas da China Fabulosa, L&PM Editores

Clique no título se quiseres ver  o que faço  quando não estou aqui. 
Vídeo produzido pelo meu filho.