29 março 2013

Sexta-Feira Santa

A semana especial, Santa pelo inexorável magnetismo que faz com que tudo que tenha que ser, seja, transcorre ouriçada nestes dias de definições abertas em que a transparência pode não ser a mola propulsora, o ambiente, o impulso inicial, mas é o fecho para todo e qualquer movimento, atitude, negociação. 
Os ramos estendidos ao chão do domingo passado, carregados no peito pelos humildes, agitam o pó e ao invés das habituais pátinas perpetradas nas celebrações de antigamente, hoje agitam energias centrífugas mais potentes que os incontroláveis eventos atômicos depois de deflagrados.
Homem, para onde vais?
Criança, em quem crês?
Mulher, onde colocas tua força?
No corredor espelhado a besta tangida movimenta-se a passo sonambular despertada por aquele compasso, a linha pontilhada. Galga a estrada murada da moderna Babilônia, interpenetrando-se com a manada adestrada para tal. 
Para seguir sem saber o quê nem para quê, mas com a força emprestada da energia  invocada a mantras primais, 
a coitos animais, 
a vertidas linhas sangrentas, segue o passo potente o  grupo autômato que está entregue ao livre arbítrio, mas livre arbítrio de quem, se os que palmilham o rumo do sacrifício, estão entregues, massa material sem direção espiritual. Manipuláveis vampiros e  vampirizáveis.
Ainda e sempre os anjos humanos no alvo dos  animais vorazes. Tanto faz se vão em frente, ou atrás, sobre...tanto faz!
Só sendo vidente para evitar o choque com os desgovernados em curto circuito, que nem mais sinal de seta dão. Autômatos, drogados, puxados por cordões invisíveis, carregando no ventre a possibilidade da libertação, que ao invés de fruto do ventre, alumbra como ação fisiológica, devorada que foi na nascente, pela inconsequência; não escolhem. Dementes, guinam, chamam a isso "viver a vida", e derrapam fugindo a qualquer lógica do movimento divino. Viciados deflagram desastres. Previstos desastres...
Presente e acessível ainda está a aérea Boa Nova, ramagem da altura da videira, palpitando vibração de cura, latejando solução de Amor, retida sob as amareladas folhas outonais. Quer brotar, mas permanece maturando pela falta de atenção dos jardineiros que todos somos.
"Um elefante passava toda a tarde sobre o formigueiro e o pisoteava e destruía. As formigas se punham a trabalhar e o reconstruíam, noutro dia lá vinha o proboscídeo com seu andar pesado e acabava com o ninho novamente. 
As formigas restantes, fartas daquilo resolveram eliminar o mastodonte moderno, subiram todas na árvore, e quando ele passou se jogaram sobre o rugoso lombo. O elefante sentido o comichão, chacoalhou-se e foram todas ao chão. Menos uma. As que caíram, então gritaram com suas vozezinhas agudas e irritadas:
- Esgoela ele!"



07 março 2013

Chantal Choin


- A quelle heure? Je ne comprends pas ...titubeei com os números. Ela pegou seu bloquinho e desenhou o esquema.
França, exposição em Pont Sainte Marie, em 2009. Adorável e inesquecível!

Da Artista Plástica Inge Yost Mafra - Uma Estrela



06 março 2013

Te convido a visitar

Até o dia 17 de março exponho meu trabalho em telas  na Loja Rosacruz AMORC em São Paulo. A exposição começou a acontecer após o convite formulado pela Léa Meirelles, artista plástica responsável pelo excelente espaço expositório da Loja. Apresento minha produção recente de forma individual. São meus sonhos, memórias de outras vidas e viagens astrais que retratados em óleo são realmente uma grande auto-exposição. Cada obra está acompanhada de um memorial descritivo, o que vai contra a orientação geral das exposições contemporâneas, mas esta é uma exposição diferente, aqui está em público o garimpo mais íntimo de imagens que recebo da espiritualidade, que contextualizadas abrem portas para o visitante encontrar a parte que lhe cabe neste latifúndio de memórias, vivências e desdobramentos.
E vamos nos reencontrando, 
intercambiando 
e juntando as peças deste que pretenciosamente quer ser um momento para ampliar a abertura mental, não para quebrar a cabeça, daí os memoriais descritivos, como não gostaria de ver meu ex professor de Preparação e Organização Profissional do artista Plástico, o José Francisco Alves. 
Destoando, sigo o artista plástico contemporâneo que mais admiro, Julien Friedler, que com seu projeto minimalista mapeia o mudo através das sensibilidades cadastradas com o Spirit of Boz:
"Tudo se misturava:épocas, espelhos, instantes responsáveis, corpos de uns e de outros, rostos crucificados e boas-vontades perdidas. Deste Caos tentamos no entanto extrair a medula substantiva. (Le livre du Boz - Julien Friedler - www.spiritofboz.org).
Na minha exposição não há minimalismos, há excessos, há tempos que se cruzam, há muita informação, é um caos de imagens; estive no subterrâneo de um convento por muito tempo, subi aquela encosta noutro continente, estive em um veículo não identificado, vi o Sol como ancoradouro... a exposição é um bordado, na abertura alguns visitantes teceram mais pontos. 
E tu? Vai lá? Estarei monitorando e pintando ao vivo, sugestão do Mestre Pedro Edson Gianfré, que oportunizou e apoia esta mostra. Na foto, o Mestre Gianfré, Joseph e Léa Meirelles no sábado último.

Horários para a visitação:
Terças, Quartas e Sextas: das 19h30 às 22h
Sábados: das 13h30 às 18h
Domingos: das 8h30 às 12h.

Rua Borges Lagoa, 1345 – Vila Clementino – São Paulo SP. Mais informações, fone: 0XX 11 5549 0012